XP faz mudança em sua carteira de dividendos

Descubra o que a XP deixa para trás e o que vem depois de uma mudança em seu mix de dividendos recomendado

Você já deve ter lido no blog sobre o que são dividendos e como eles facilitam o investimento. Se você não teve tempo de assistir, você pode conferir no artigo abaixo.

Os dividendos são recursos que uma empresa repassa aos acionistas. Por exemplo, o motivo pode ser devido ao lucro obtido ou à venda de um ativo.

Portanto, empresas com um bom histórico de pagamento de dividendos geralmente estão associadas a boa saúde financeira, geração de caixa recorrente e bons lucros.

Essa estabilidade financeira torna essas empresas mais resilientes em caso de dificuldades.

Com isso em mente, a XP e outras corretoras criaram portfólios recomendados para seus clientes, todos projetados para colher os benefícios de ganhar dividendos.

Confira abaixo o portfólio de dividendos recomendado pela XP.

– Koper (CPLE3)

-Banco do Brasil (BBAS3)

– Engi (EGIE3)

-Isa Cteep (TRPL4)

– Tessa (TAEE11)

A corretora retirou a AES Brasil e incorporou a Isa Cteep em relação ao mix de dividendos de setembro.

Um padrão claro pode ser observado, pois quatro das cinco empresas da carteira pertencem ao setor de energia.

O setor de energia é conhecido por pagar bons dividendos e também é um setor defensivo diante da grande volatilidade do mercado.

Podemos dividir as empresas do setor de energia em três tipos: geração, transmissão e distribuição.

A geração de energia é a primeira etapa da cadeia, como no caso de uma hidrelétrica, é quando a energia do fluxo de água é convertida em eletricidade. Durante a geração de energia, existem usinas movidas a gás natural, biomassa, carvão, solar, eólica, etc.

A transmissão é a segunda parte do processo. Por meio dele, a energia gerada é transmitida ao centro de consumo de carga, onde é processada. Afinal, a energia dos geradores é tão poderosa que precisa ser controlada para entrar em residências e empresas.

A terceira etapa é a distribuição. É durante esse processo que a energia é distribuída ao consumidor final. Por exemplo, há um risco maior aqui devido à necessidade constante de investimento, risco de inadimplência e roubo de energia.

Geralmente, as empresas de energia são consideradas defensivas porque têm necessidades importantes para a economia, residências, empresas e hospitais. É impossível imaginar um mundo sem eletricidade.

A exceção para o setor elétrico incluído na carteira da XP é o Banco do Brasil.

Os bancos têm sido as empresas que têm apresentado altos lucros, em parte porque o país ainda está concentrado em cinco bancos: Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander.

De acordo com a corretora, o dividend yield (o retorno que os acionistas recebem em relação ao capital investido) se tornou bastante atrativo, pois as ações dos bancos brasileiros estão mais baratas que seus pares.

Fontes: ihublounge.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.